Trabalho Apresentado à Disciplina Gestão dos Processos Pedagógicos como Requisito Obtenção de Avaliação Parcial

Trabalho Apresentado à Disciplina Gestão dos Processos Pedagógicos como Requisito Obtenção de Avaliação Parcial

INTRODUÇÃO
O século XXI chegou e com ele se abriu novas perspectivas para o profissional da educação que estão inseridos ou que ainda irão se inserir no mercado de trabalho, exigindo cada vez mais profissionais qualificados e preparados para atuar neste novo cenário. Com isto o pedagogo sai apenas do espaço escolar, onde até pouco tempo era seu único espaço de atuação, inserindo-se em um novo espaço, redefinindo assim sua atuação como profissional.
Hoje em dia o pedagogo pode atuar tanto em escolas e salas de aula, como, em Hospitais, ONGS, Empresas, Associações, Sindicatos, Rádio, TV, enfim onde houver uma prática educativa, existirá uma ação pedagógica onde poderá ser ocupada por um profissional da educação.
Há práticas pedagógicas nos jornais, nas rádios, na produção de material informativo, tais como livros didáticos e paradidáticos, enciclopédias, guias de turismo, mapas, vídeos, revistas; na criação e elaboração de jogos, brinquedos; nas empresas, há atividades de supervisão do trabalho, orientação de estagiários, formação profissional em serviço. Há uma prática pedagógica nas academias de educação física, nos consultórios clínicos. (Educar em revista nº 17, 2001, página 4)

Com o aumento da procura por mão de obra especializada, os empresários estão descobrindo que é muito importante investir na qualificação de seus funcionários. Em todos os segmentos da sociedade atual se faz necessária a atualização de conhecimentos, tanto por parte dos funcionários, quanto dos patrões. A pedagogia com certeza tem um papel central nessa formação, tendo em vista que a nossa sociedade está em mudança o tempo todo. O pedagogo deve contribuir para o processo educativo dentro das empresas. Ajudando na assimilação do novo, novas formas de atuação profissional, novas tecnologias, em tudo o que diz respeito à formação continuada dos trabalhadores.

De fato, com a “intelectualização” do processo produtivo, o trabalhador não pode mais ser improvisado. São requeridas novas habilidades, mais capacidades de abstração, de atenção, um comportamento profissional mais flexível. Para tanto, a necessidade de formação geral se repõe, implicando reavaliação dos processos de aprendizagem, familiarização com os meios de comunicação e com a informática, desenvolvimento de competências comunicativas, de capacidades criativas para análise de situações novas e cambiantes, capacidade de pensar e agir com horizontes mais amplos. Estamos frente a exigências de formação de um novo educador. (Educar em revista nº 17, 2001, página 5)

Porém esta carreira exige do pedagogo determinação de idealismo, é necessário que ele acredite na transformação das pessoas, em uma sociedade melhor mais justa e democrática, para que assim seus trabalhos tenham êxito.
“... Verifica-se hoje, uma ação pedagógica múltipla na sociedade. O pedagógico perpassa toda a sociedade, extrapolando o âmbito escolar formal, abrangendo esferas mais amplas da educação informal e não-formal. Assim, o século XXI terá na figurado Pedagogo um profissional essencial para a construção de uma sociedade mais sustentável, equilibrada e humanizada. (Libáneo, 2002, p. 28)
A sociedade atual muda rápido de mais, espera-se muito com relação à formação das pessoas que nela vivem. O processo educativo está cada vez presente em todos os segmentos da sociedade. Com isso o campo de atuação do pedagogo extrapola a atuação deste somente na escola. O pedagogo deve se preocupar com os processos educativos de toda à sociedade.

Pedagogia é, então, o campo do conhecimento que se ocupa do estudo sistemático da educação − do ato educativo, da prática educativa como componente integrante da atividade humana, como fato da vida social, inerente ao conjunto dos processos sociais. Não há sociedade sem práticas educativas. Pedagogia diz respeito a uma reflexão sistemática sobre o fenômeno educativo, sobre as práticas educativas, para poder ser uma instância orientadora do trabalho educativo. Ou seja, ela não se refere apenas às práticas escolares, mas a um imenso conjunto de outras práticas. (Educar em revista nº 17, 2001, página 6)

DESENVOLVIMENTO
Até pouco tempo, com uma visão de pedagogia somente voltada ao ambiente escolar, o pedagogo era o profissional capacitado somente para atuar em espaços escolares.
“A atuação do pedagogo escolar é imprescindível na ajuda aos professores no aprimoramento do seu desempenho na sala de aula (conteúdos, métodos, técnicas, formas de organização da classe), na análise e compreensão das situações de ensino com base nos conhecimentos teóricos, ou seja, na vinculação entre as áreas do conhecimento pedagógico e o trabalho de sala de aula.” (LIBÂNEO, 1996)
Porém hoje, podemos ver que o pedagogo pode ir bem mais além dos quatro muros da escola. A vida escolar, e a educação formal não passam a ser um foco menos importante, mas deixam de serem os únicos.

O profissional pedagogo está sendo inserido em um mercado de trabalho mais amplo e diversificado, respondendo assim as necessidades da sociedade que hoje necessita cada vez mais de profissionais capacitados e treinados, aptos a trabalhar em diferentes áreas onde ocorra o fenômeno educativo.
O campo do educativo é bastante vasto, uma vez que a educação ocorre em muitos lugares e sob variadas modalidades: na família, no trabalho, na rua, na fábrica, nos meios de comunicação, na política, na escola. De modo que não podemos reduzir a educação ao ensino e nem a Pedagogia aos métodos de ensino. Por conseqüência, se há uma diversidade de práticas educativas, há também várias pedagogias: a pedagogia familiar, a pedagogia sindical, a pedagogia dos meios de comunicação etc., além, é claro, da pedagogia escolar. (Educar em revista nº 17, 2001, página 7)
Com isto o pedagogo pode se inserir em empresas, ONGs, associações, sindicatos, hospitais e demais lugares que hoje passam a ser o novo cenário de atuação do pedagogo. Com esta nova realidade quebra-se o preconceito e a ideia de que o pedagogo está apto apenas para trabalhar em salas de aula, pois atualmente onde houver uma prática pedagógica educativa, existirá uma ação pedagógica e formativa.

Educação compreende o conjunto dos processos, influências, estruturas e ações que intervêm no desenvolvimento humano de indivíduos e grupos na sua relação ativa com o meio natural e social, num determinado contexto de relações entre grupos e classes sociais, visando a formação do ser humano. A educação é, assim, uma prática humana, uma prática social, que modifica os seres humanos nos seus estados físicos, mentais, espirituais, culturais, que dá uma configuração à nossa existência humana individual e grupal. (Educar em revista nº 17, 2001, página 7)

Diante disso a educação tem o papel fundamental para a transformação social. A transformação relacionada a atuação do pedagogo se dá ao fato de que vivemos em um processo de transformação de valores e pensamentos de uma sociedade voltadas para valores mais específicos.
O mundo assiste hoje à 3.a Revolução Industrial, caracterizada pela internacionalização da economia, por inovações tecnológicas em vários campos, como a informática, a microeletrônica, a bioenergética. Essas transformações tecnológicas e científicas levam à introdução, no processo produtivo, de novos sistemas de organização do trabalho, mudança no perfil profissional e novas exigências de qualificação dos trabalhadores, o que acaba afetando o sistema de ensino. (Educar em revista nº 17, 2001, página 7)

O curso de pedagogia tem um papel de extrema importância nesta transformação, LIBÂNEO (2007) afirma que:
O curso de pedagogia deve formar pedagogos stricto sensu, isto é formar um profissional qualificados para atuar em vários campos educativos, para atender demandas socioeducativas de tipo formal, não formal e informal, decorrentes de novas realidades, novas tecnologias, novos atores sociais. (...). Não apenas na gestão, supervisão e coordenação pedagógica de escolas como também na pesquisa, na administração dos sistemas de ensino no planejamento educacional na definição de práticas educacionais, nos movimentos sociais, nas empresas, nas várias instâncias de educação de adultos, nos serviços de psicopedagogia e orientação educacional... (Libâneo, 2007, página. 38-39)

Diante disto é necessário que sejam formados profissionais aptos a trabalhar e desenvolver diferentes atividades nas diversas esferas da sociedade, para que assim o professor possa ocupar outros espaços que não sejam apenas as escolas. Ainda segundo LIBANEO (2007).
É quase unânime entre os estudiosos, hoje, o entendimento de que as práticas educativas estendem-se as mais variadas instâncias da vida social não se restringindo, portanto, a escola e muito menos a docência, embora estas devam ser a referência da formação do pedagogo escolar. Sendo assim, o campo de atuação do profissional formado em pedagogia é tão vasto quanto são as práticas educativas na sociedade. Em todo lugar onde houver uma prática educativa com caráter de intencionalidade, há ai uma pedagogia (Libâneo, 2007, página51)
A educação não formal é imprescindível para a sociedade atual, pois é nela que as pessoas irão buscar formação depois de concluído os estudos formais.
A educação formal é aquela desenvolvida nas escolas, com conteúdos previamente demarcados; a informal como aquela que os indivíduos aprendem durante seu processo de socialização - na família, bairro, clube, amigos etc., carregada de valores e culturas próprias, de pertencimento e sentimentos herdados: e a educação não-formal é aquela que se aprende "no mundo da vida", via os processos de compartilhamento de experiências, principalmente em espaços e ações coletivos cotidianas. (Gohn, 2006, pagina 1)

A educação não formal abre um grande leque de atuação para o pedagogo. Cada vez mais o processo educativo está ligado a diferentes áreas. O pedagogo deve estar atento a todos elas, pois ele é o mediador desses processos.
...a sociedade atual é eminentemente pedagógica, ao ponto de ser chamada de sociedade do conhecimento. Vejamos alguns exemplos. Está se acentuando o poder pedagógico dos meios de comunicação: TV, imprensa, escrita, rádio, revistas, quadrinhos. A mídia se especializa em fazer cabeças, não apenas no campo econômico, político; especialmente no campo moral, vemos diariamente a veiculação de mensagens educativas, a disseminação de saberes e modos de agir através de programas, vinhetas e chamadas sobre educação ambiental, AIDS, drogas, saúde. (Educar em revista nº 17, 2001, página 4)
Sendo assim a cultura, as relações humanas e as experiências da sociedade merecem atenção especial nos processos educativos. São a partir delas que a educação é construída e é para elas que a educação existe. As experiências da sociedade devem ser estudadas e entendidas objetivando assim um processo educativo intencional e crítico.
Numa sociedade em que essas relações se dão entre grupos sociais antagônicos, com diferentes interesses, em relações de exploração de uns sobre outros, a educação só pode ser crítica, pois a humanização plena implica a transformação dessas relações. Isso significa que a Pedagogia lida com o fenômeno educativo enquanto expressão de interesses sociais em conflito na sociedade em que vivemos. É por isso que a Pedagogia expressa finalidades sociopolíticas, ou seja, uma direção explícita da ação educativa relacionada com um projeto de gestão social e política da sociedade. (Educar em revista nº 17, 2001, página 8)
É preciso que o profissional pedagogo esteja preparado para ingressar no mercado de trabalho, a fim de desenvolver habilidades e atividades de planejamento, avaliação, organização de projetos de aprendizagem entre outros. Porém para que isso ocorra é de extrema importância que a universidade possa proporcionar aos seus alunos o desenvolvimento destas competências.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
A pedagogia é cada vez mais importante para a sociedade atual, nas indústrias, nos comércios em todo lugar onde possa ocorrer a formação ou a mediação de conhecimentos. “Fica claro, portanto, que há uma diversidade de práticas educativas na sociedade e, em todas elas, desde que se configurem como intencionais, está presente a ação pedagógica”. (EDUCAR EM REVISTA, 2001) Faz-se a cada dia, mais necessária, a intervenção do pedagogo em ambientes não escolares. Isso é garantido nas Diretrizes Curriculares para o Curso de Pedagogia de 2006:
Artigo 2º As Diretrizes Curriculares para o curso de Pedagogia aplicam-se à formação inicial para o exercício da docência na Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental, nos cursos de Ensino Médio, na modalidade Normal, e em cursos de Educação Profissional na área de serviços e apoio escolar, bem como em outras áreas nas quais sejam previstos conhecimentos pedagógicos. (Brasil, Resolução CNE/CP Nº 1, DE 2006.)
A sociedade precisa da sistematização de conhecimentos em muitos âmbitos, e para assimilação destes é necessário um processo educativo. A pedagogia amplia seu conceito a cada dia.

Um dos fenômenos mais significativos dos processos sociais contemporâneos é a ampliação do conceito de educação e a diversificação das atividades educativas, levando, por conseqüência, a uma diversificação da ação pedagógica na sociedade. Em várias esferas da prática social, mediante as modalidades de educação informais, não-formais e formais, é ampliada a produção e disseminação de saberes e modos de ação (conhecimentos, conceitos, habilidades, hábitos, procedimentos, crenças, atitudes), levando a práticas pedagógicas. (Educar em revista nº 17, 2001, página 1)
A escola ainda é um campo importante para a pedagogia, mas cada vez mais ela é necessária em outros segmentos da sociedade. “Mesmo sabendo que a docência é a base para a formação do pedagogo a escola não é o único espaço de atuação pedagógica e da aplicação da prática pedagogia” (Orzechowski e Lupion, 2010). O objetivo da pedagogia é formar o cidadão como um todo. A escola é apenas o inicio dessa formação. Muitos problemas derivam da falta de uma ação educativa na sociedade como um todo. Vários problemas sociais poderiam ser evitados com uma pedagogia mais presente na mediação de conhecimentos socialmente produzidos.

... a aprendizagem política dos direitos dos indivíduos enquanto cidadãos; a capacitação dos indivíduos para o trabalho, por meio da aprendizagem de habilidades e/ou desenvolvimento de potencialidades; a aprendizagem e exercício de práticas que capacitam os indivíduos a se organizarem com objetivos comunitários, voltadas para a solução de problemas coletivos cotidianos; a aprendizagem de conteúdos que possibilitem aos indivíduos fazerem uma leitura do mundo do ponto de vista de compreensão do que se passa ao seu redor; a educação desenvolvida na mídia e pela mídia, em especial a eletrônica etc Em suma, consideramos a educação não-formal como um dos núcleos básicos de uma Pedagogia Social. (Gohn, 2006, página 1)
A sociedade em constante mudança exige cada vez mais que o pedagogo atue em diferentes campos, onde o processo educativo está presente. Cada vez mais o pedagogo é exigido como especialista em educação.

A caracterização de pedagogo-especialista é necessária para distinguilo do profissional docente. Importa formalizar uma distinção entre trabalho pedagógico (atuação profissional em um amplo leque de práticas educativas) e trabalho docente (forma peculiar que o trabalho pedagógico assume na escola). Caberia, também, entender que todo trabalho docente é trabalho pedagógico, mas que nem todo trabalho pedagógico é trabalho docente. (Educar em revista nº 17, 2001, página 12)
O pedagogo deve preocupar se com todas as relações culturais e humanas principalmente as que estão ligadas a ação pedagógica. Vivemos em uma sociedade que contém várias opiniões, vários pontos de vista e inúmeras formas de cultura. O pedagogo deve tratar tudo isso de forma crítica a fim de superar diferenças e contribuir para a tolerância e o respeito.
Numa sociedade em que essas relações se dão entre grupos sociais antagônicos, com diferentes interesses, em relações de exploração de uns sobre outros, a educação só pode ser crítica, pois a humanização plena implica a transformação dessas relações. Isso significa que a Pedagogia lida com o fenômeno educativo enquanto expressão de interesses sociais em conflito na sociedade em que vivemos. É por isso que a Pedagogia expressa finalidades sociopolíticas, ou seja, uma direção explícita da ação educativa relacionada com um projeto de gestão social e política da sociedade. (Educar em revista nº 17, 2001, página 8)

Cabe ao curso de pedagogia se preocupar com a formação integral do seu aluno possibilitando no decorrer do curso uma interdisciplinaridade com outras ciências da educação, objetivando um profissional mais preparado para essa sociedade que exige um pedagogo polivalente e preocupado com a integralidade da ação pedagógica.
Proponho que os profissionais da educação formados pelo curso de Pedagogia venham a atuar em vários campos sociais da educação, decorrentes de novas necessidades e demandas sociais a serem regulados profissionalmente. Tais campos são: as escolas e os sistemas escolares; os movimentos sociais; as diversas mídias, incluindo o campo editorial; a áreas da saúde; as empresas; os sindicatos e outros que se fizerem necessários. (Educar em revista nº 17, 2001, página 14)

É a própria sociedade que precisa exigir do curso de pedagogia a formação de pedagogos que realmente ajudem no desenvolvimento integral das pessoas em todos os segmentos da sociedade. “Portanto, a formação dos profissionais da educação deve contemplar a preparação daqueles profissionais da área educacional demandados pela sociedade brasileira, em sua configuração atual, para atuarem na organização e na gestão de todos os segmentos do sistema nacional de ensino.” (EDUCAR EM REVISTA, 2001)

REFERÊNCIAS
BRASIL, Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 1 de 15 de maio de 2006,Delibera sobre as diretrizes curriculares nacionais para o curso de graduação em Pedagogia,licenciatura. Diário Oficial da União. 16 de maio de 2006. Seção 1, p.11.

LIBANEO, José Carlos. PEDAGOGIA E PEDAGOGOS PARA QUE? São Paulo: Cortez 1999

LIBANEO, José Carlos . PRÁTICAS EDUCACIONAIS. São Paulo Cortez 2000
http://www.educaremrevista.ufpr.br/arquivos_17/libaneo.pdf

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal na pedagogia social.. In: I CONGRESSO INTERNACIONAL DE PEDAGOGIA SOCIAL, 1., 2006, . Anais eletrnicos... Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, Disponvel em . Acesso em: 07 Maio. 2012.

Orzechowski Suzete T. e Torres Patrícia L.- Docentes: A formação do pedagogo e a pedagogia socio cultural. Congresso ibero-americano de educación. 13, 14 e 15 de setembro de 2010