Os Tipos de Lideranca

Os Tipos de Lideranca

RESUMO
A liderança é uma questão de redução de incerteza e insegurança de um grupo. É um processo continuo de decisões, acertos e erros, que permite a organização buscarem seus objetivos. O líder ideal é aquele que se ajusta a sua realidade, consegue se ajustar a cada situação, momento, ou grupo de trabalho. Uma boa liderança é sempre lembrada pelos seguidores, se estiverem motivados alcançam os objetivos pretendidos, isso é sinal que a um bom líder orientando o grupo. De acordo com a necessidade, a tarefa e as pessoas o líder poderá utilizar todos os estilos de liderança. A obrigação de um bom líder é saber equilibrar estas práticas e quando usadas.

Palavras-chave:
1 INTRODUÇÃO
A liderança é necessária em todos os tipos de organização humana, seja ela nas empresas, ou seja, ela em cada um de seus departamentos. Ela é essencial em todas as funções da administração: o administrador precisa conhecer a natureza humana e saber conduzir as pessoas.

O líder demonstra suas capacidades, não apenas por suas características pessoais, mais sim pelo grupo satisfazer suas necessidades, estratégias para alcançar seus objetivos, influenciando pessoas à trabalharem com entusiasmo e visando um bem comum ao grupo.

Este trabalho demonstra os três tipos de liderança que são a autocrática, democrática e a liberal e também a teoria situacional da liderança.

2 LIDERANÇA
Em todos os tipos de organização humana a liderança é necessária, principalmente nas empresas e em cada um de seus departamentos. Na administração ela é igualmente essencial em todas as demais funções: o administrador precisa conhecer a motivação humana e saber conduzir as pessoas, isto é, liderar.

“Liderança é a influência interpessoal exercida numa situação e dirigida por meio do processo da comunicação humana à consecução de um ou de diversos objetivos específicos”. A liderança é encarada como um fenômeno social e que ocorre em grupos sociais, deve se considerada em função dos relacionamentos entre as pessoas em uma determinada estrutura social, e não pelo exame de uma serie de traços individuais.

A liderança, segundo Maximiano( 2004), é a realização de uma meta por meio de uma direção de colaboradores humano. A pessoa que comanda com sucesso seus colaboradores para alcançar finalidades especifica é um líder. Um grande líder é aquele que tem essa capacidade dia após dia, ano após ano, numa grande variedade de situações.

A liderança ocorre quando a lideres que induzem seguidores a realizar certos objetivos que representam os valores e a motivação- desejos e necessidades, aspirações e expectativas tanto dos lideres quanto dos seguidores. A genialidade da liderança está na forma como os lideres enxergam e trabalham os valores e motivações tanto seus quanto de seus seguidores. (MAXIMIANO, 2004, p.289).

Entre o conceito de liderança como uma qualidade pessoal e de liderança como função há extinção, como qualidade pessoal (a combinação especial de características pessoais que fazem de um individuo um líder), já na liderança como função (decorrente da distribuição da autoridade de tomar decisões dentro de uma empresa): o grau de um individuo demonstra qualidade de liderança depende não somente de suas próprias características, mas também das características das situações na qual se encontra. O comportamento de liderança que envolve funções como planejar, dar informações, avaliar, controlar, recompensar, estimular, punir, etc. Deve se ajustar o grupo a atingir os seus objetivos, ou, em outras palavras, a satisfazer suas necessidades. Assim, o individuo que possa dar maior assistência e orientação ao grupo (escolher ou ajudar o grupo a escolher as melhores soluções para seus problemas) para que atinja um estado satisfatório, tem maiores possibilidades de ser considerado seu líder. A liderança é uma questão de redução de incerteza do grupo. O comportamento pelo qual se consegue essa redução é a escolha. A liderança é um processo continuo de escolha que permite à empresa caminhar em direção a sua meta, apesar de todas as perturbações internas e externas.

A relação entre líder e liderados repousa em três generalizações:

a) A vida, para cada individuo, pode ser vista como uma continua luta para satisfazer necessidades, avaliar e manter equilíbrio.

b) A maior parte das necessidades individuais em nossa cultura é satisfeita por meio de relações com outros indivíduos ou com grupos de indivíduos.

c) Para pessoas, o processo de usar relações com outras pessoas é um processo ativo e não passivo de satisfazer necessidades.

Dentro dessa concepção, “a liderança é uma função das necessidades existente numa determinada situação e consiste numa relação entre um indivíduo e um grupo”. O conceito de liderança repousa numa relação funcional nesses termos. Essa relação funcional existe somente quando um líder é percebido por um grupo como o controlador de meios para satisfazer suas necessidades. Segui-lo é uma forma de o grupo aumentar a satisfação de suas necessidades ou de evitar sua diminuição, o grupo pode selecionar eleger, um indivíduo como líder, porque ele possui e controla os meios como habilidade pessoal, conhecimento, relacionamento, propriedade, etc. o grupo deseja utilizar para obter um aumento de satisfação para suas necessidades.

A principal teoria que explica a liderança por meio de estilos de comportamentos, sem se preocupar com características de personalidades é que se refere a três estilos de liderança: autocrática, democrática e liberal. O tópico a seguir da uma idéia das principais características de cada um desses estilos de liderança.

3 OS TRÊS ESTILOS DE LIDERANÇA
Autocrática: centralizado de poder de decisão no chefe, quanto mais concentrado o poder de decisão, mais autocrático é seu comportamento ou estilo.

Democrático: o líder conduz e orienta o grupo incentivando a participação das pessoas, quanto mais decisão tomadas pelo grupo, mas democrático é o comportamento do líder.

Liberal: o líder delega totalmente as decisões ao grupo e deixa completamente a vontade e sem controle, sendo mínima decisão do líder e o grupo é que se destaca.

Na prática, o líder utiliza os três estilos de liderança de acordo com a situação, as pessoas e a tarefa a executar. O desafio é saber quando aplicar qual estilo, com quem e em que situação.

Autocrático
A líder fixa as diretrizes, sem qualquer participação do grupo.

O líder determina as providências para a execução das tarefas, cada uma por vez, na medida em que se tornam necessárias e de modo imprevisível para o grupo.

O líder determina a tarefa que cada um deve executar e seu companheiro de trabalho.

O líder é dominador e é `` pessoal ´´ nos elogios e nas críticas ao trabalho de cada membro.

Liberal
Há liberdade total para as decisões, é mínima a participação do líder.

A participação do líder é limitada, apresentando apenas materiais variados ao grupo, esclarecendo que poderia fornecer informações desde que as pedissem.

A divisão das tarefas e escolha dos colegas fica totalmente a cargo do grupo. O líder não participa ativamente.

O líder não avalia o grupo nem controla aos acontecimentos. Apenas comente as atividades quando perguntado.

Democrático
As diretrizes são debatidas e decididas pelo grupo, estimulado e assistido pelo líder.

O grupo esboça as providências para atingir o alvo e pede aconselhamento do líder, que sugere alternativas para o grupo escolher. As tarefas ganham novas perspectivas com os debates.
A divisão das tarefas fica a critério do grupo e cada membro tem liberdade de escolher seus companheiros de trabalho.

O líder procura ser um membro normal do grupo, em espírito. O líder é `` objetivo ´´ e limita-se aos `` fatos ´´ nas críticas e nos elogios.

TEORIAS SITUACIONAIS DA LIDERANÇA
A teoria situacional é mais atrativa aos administradores por aumentar às possibilidades de adequação a situação a fim de se ajustar ao estilo de liderança utilizada. Cada tipo de comportamento esta relacionado ao grau de autoridade aproveitado pelo líder e ao grau de liberdade disponível para os subordinados. Um líder deve se ajustar a um grupo de pessoas sob condições variadas, sendo sua capacidade de comunicação essencial e não apenas seus atos de personalizar.

Abordagem situacional pode deduzir as seguintes proposições:

- Quando as tarefas são repetitivas e rotineiras, a liderança é limitada e sujeita a controle pelo chefe que adota um padrão de liderança.
- Um líder assume diferentes padrões de liderança para cada um de seus subordinados, de acordo com as forças anteriores.
- O líder pode assumir vários padrões de liderança, para um mesmo subordinado conforme a situação envolvida. Quando o subordinado apresenta erros, o líder pode impor maior autoridade pessoal e menor liberdade de trabalho, mas se o subordinado apresentar eficiência, o líder pode dar liberdade nas decisões.

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Cada estilo de liderança tem suas vantagens e desvantagens, dos quais apenas alguns foram tratados neste trabalho.

Na liderança autocrática o líder tem o domínio e seus seguidores não participam de suas decisões. A sinais de ilusão e baixa motivação, apesar do grupo produzir em grande quantidade. Neste caso essa liderança enfatiza o líder.

Já na liberal, o líder da liberdade de escolha para tomar decisões em grupo ou individuais, se o líder for solicitado participa. O grupo reage com insastifação, má qualidade no trabalho e pouco respeito ao líder. Na liderança liberal o grupo é enfatizado.

Na democrática o líder encoraja, participa das decisões é bastante comunicativo que faz com que o trabalho tem melhor quantidade e qualidade. Nesse tipo de liderança o grupo e o líder são enfatizados.

Na teoria situacional a postura desse líder se ajusta e varia de acordo com as diferentes situações do dia a dia.

No ambiente de trabalho, os tipos de liderança andam juntos, o líder pode não participar de decisões, pode tomar decisão em grupo ou individual, sendo também comunicativo e tendo participações nas decisões tomadas, podendo se ajustar conforme a situação enfrentada.

REFERÊNCIAS
CHIAVENATO, I. Introdução à teoria geral da administração. 3. Ed. rev. e atualizada. Rio de Janeiro: Elservier, 2004.

GASSTMANN, Ademir et al. Liderança. 1. Ed. Curitiba: Camões, 2008

STARKEY, Ken. Como as organizações Aprendem. São Paulo: Editora Futura, 1997.